Ligue Para a Gente: Central Nacional de Vendas 4020-3852 (disque a partir da sua cidade)
>
31.out, 2016 0 Notícias

Imigrantes que tentam cruzar fronteira entre os EUA e o México são enterrados como indigentes

Cemitério Terrace Park, na Califórnia, onde estão enterrados anônimos mortos ao cruzar fronteira

Cemitério Terrace Park, na Califórnia, onde estão enterrados anônimos mortos ao cruzar fronteira

Anônimos que são mortos ao tentar cruzar a fronteira ente os EUA e o México, são enterrados no Cemitério Terrace Park como indigentes.

O cemitério fica em Holtville, uma cidade da Califórnia, com cerca de 6.200 habitantes, que está situada a poucos metros da fronteira entre os EUA e o México.

É nesta pequena cidade, com poucos recursos que são sepultadas as pessoas que tentam entrar nos Estados Unidos e acabam sendo mortas na fronteira.

O Cemitério Terrace Park, possui 12 fileiras, com cerca de 40 covas cada. Na grande maioria está escrito “John Doe”, em inglês significa “Zé Ninguém”.

No dia 2 de novembro, data em que é comemorado o ”Dia de los Muertos” (feriado em homenagem as vidas passadas, no México), ativistas dos direitos humanos costumam enfeitar os túmulos com flores.

As covas também são enfeitadas com  cruzes feitas com pedaço de madeira, onde está escrito em espanhol (“esperanza”), e em inglês (“be free”, seja livre).

Segundo a Guarda Federal, responsável por guardar as fronteiras, entre 2014 e 2015 houve uma queda no número de mortes dos imigrantes, que registou 240 pessoas, é a menor incidência nos últimos 18 anos, que registrou entre 2004 e 2005, um total de 492 vítimas.

Segundo o  Instituto de Políticas de Migração (MPI), os EUA possui cerca de 820 mil pessoas vivendo ilegalmente.

James Nielsen, de 32 anos, agente da Polícia da Fronteira na Califórnia, afirma que é comum resgatar imigrantes que são deixados para trás pelos coiotes (pessoa que fica responsável por guiar o grupo durante a travessia, mediante pagamento).

“Os coiotes abandonam quem está atrapalhando o grupo. A gente encontra os imigrantes às vezes dias depois, e eles ainda acreditam que seus coiotes voltarão para buscá-los, afirma o agente”.

Fonte: UOL

Share on FacebookShare on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *