Ligue Para a Gente: Central Nacional de Vendas 4020-3852 (disque a partir da sua cidade)
>
22.nov, 2015 0 Notícias

Encontrado indícios de cemitério indígena em bairro de Macapá

Artefatos encontrados em 18 de outubro de 2015 em uma área escavada na Zona Oeste de Macapá seriam semelhantes aos utilizados em antigos funerais de tribos indígenas, informou o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan). Uma urna em barro com ossos foi achada por jovens que brincavam próximo a um buraco onde seria construída uma fossa séptica.

Na quarta-feira uma equipe do instituto fez uma visita ao local, que fica no quintal de uma casa em área de invasão no bairro Marabaixo 4. O arqueólogo do Iphan Kleber de Oliveira Souza informou que há pouco tempo urnas semelhantes foram encontradas em um terreno no mesmo bairro.

Ossos foram encontrados dentro de urna achada por jovens em Macapá (Foto: John Pacheco/G1)

Urna com ossos de cemitério indígena.

Ossos foram encontrados dentro de urna achada por jovens em Macapá (Foto: John Pacheco/G1)

“Esse cemitério pode ser um sítio indígena amplo. Esse tipo de enterramento é conhecido como secundário, onde eles colocavam o corpo antes em um local para decomposição e algumas partes desse corpo eram retiradas [e colocadas na urna] para esse secundário. Essa situação estaria ligada a algum ritual além da morte”, falou o arqueólogo.

A urna foi encontrada a cerca de um metro e meio da superfície. O buraco da fossa foi escavado e abandonado há mais de um ano, e a estrutura foi descoberta após uma bola de vôlei cair no buraco e atingir parte da estrutura.

Buraco de onde peça supostamente indígena foi retirada (Foto: John Pacheco/G1)Buraco de onde peça supostamente indígena foi retirada (Foto: John Pacheco/G1)

“A bola caiu e vi o ‘vaso’, mas fiquei com medo de pegar. Daí chamei meu marido e meu irmão para cavar e eles tiraram. Nunca tínhamos visto isso antes dentro desse buraco. Acho que com a chuva a terra foi sendo tirada e isso apareceu. Guardamos em casa por questão de segurança”, contou Keila de Souza, de 22 anos.

Será que estes índios tinham algum tipo de plano funerário?

Share on FacebookShare on LinkedInTweet about this on TwitterEmail this to someone

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *